Arquivo | Devaneio RSS feed for this section

Uma dúzia de rosas vermelhas, querida…

19 ago
 
Numa lápide do cemitério,
Deixaram envoltas em fitas,
Uma dúzia de rosas vermelhas.
A foto era amarela e antiga,
Inscrição apagada, descolorida.
Provavelmente uma namorada,
Um amor que se foi…

Eu nunca ganhei rosas vermelhas.
Como invejei aquela morta,
Que mesmo estando deteriorando,
Se fazia desejada, amada, lembrada
E eu aqui mofando… Em vida!
Uma alma fúnebre que respira
E nunca ganhou rosas…

Peguei as fitas e joguei,
Uma a uma, no túmulo ao lado.
Cada botão de rosa que eu tocava
Morria, murchava condenado
A ser um morto – vivo despeitado,
Como meu coração ali se mostrava,
Um mero órgão desapaixonado…

E a foto da inscrição apagada,
Verteu duas lágrimas caladas,
Longe da percepção humanamente sentida
Chorou por ter em morte gesto tão pleno de vida
__Uma dúzia de rosas vermelhas querida!
E nem percebeu que haviam lhe roubado,
Nem as flores, nem as fitas…

Disso aprendi que o que vale
Não são as rosas que por ventura receba,
Mas o amor que por certo distribua,
Que faça, mesmo em morte, ser lembrada,
Mesmo depois de deteriorada,
Continuar a ser desejada e querida.
Isso é só para os que foram plenos em vida!

 
 
Mariângela Padilha

O Amor

18 ago
Ah! O amor…
O amor em si é lindo! O que adoece é o coração de quem está amando.
O aspecto físico apaixona!O intelecto mais ainda! Sedução, admiração, paixão… São tantos os "aos" que nos fazem suspirar. Os mesmos "aos" que nos trazem o instinto de matar. Matamos por ciúmes, às vezes em pensamento, noutras literalmente. Matamos nosso discernimento, não enxergamos os defeitos e mesmo se olhar direito, o feio nos será "belo”. Uma vontade de acordar junto, dormir junto, viver… Sem medo da rotina, maldita! Ah… A mesma rotina que dita a morte de tantos amores! O jeito, o olhar, a beleza, a sedução… Os mesmos motivos que nos fizeram amar agora nos fazem perder a noção. Queremos mudar mexer, melhorar aqui e ali, sem perceber que vamos transformar a pessoa em tudo, menos na que nos apaixonamos. O companheiro não pode ter amigos, não pode ter admiração, não pode sonhar se o sonho não for peneirado. Se o sonho não for ao lado de seu "dono e senhor”.
Ah. Esse amor amaldiçoado!Tantas regras para morrer! Por sorte morre lentamente, nem se percebe… A agonia nunca é breve! Por sorte, pois, é tão triste ver um amor de perder!
E mesmo quando não estamos amando, vivemos procurando. Como diria minha avó: "Sarna pra se coçar”. Já eu digo: "Um Amor para se matar" ou "Um homicídio para se viver"!
.
 
 
 
Mariângela Padilha
 

Dia a Dia

25 set

 

 

 

RELÓGIO HUMANO

 

 

00:00H- NA RUA

CASAIS APAIXONADOS

01:00H- NA PRAÇA

OS CARROS ESTACIONADOS

02:00H- NOS POSTES

MENINAS DE POUCA SORTE

03:00H- NOS CAMPOS

CORUJAS E VENTO FORTE

04:00H- NA ROÇA

SEU “ ZÉ” JÁ LIGA O RÁDIO

05:00H- DONA MARIA

JÁ TIRA O PÃO DO ARMÁRIO

06:00H- OS QUARTÉIS

ACORDAM HOMENS – MENINOS

07:00H- NAS CASAS

SOAM ALARMES MATUTINOS

08:00H- NAS LOJAS

AS VENDAS JÁ CORREM SOLTAS

09:00H- NAS ESCOLAS

MENINOS LIMPAM A LOUSA

10:00H- NOS BARES

PANELAS VÃO BORBULHANDO

11:00H- NOS LARES

FAMÍLIAS SE ALIMENTANDO

12:00H – O SOL COBRE

VARAIS DE ROUPAS TORCIDAS

13:00H – NOS BANCOS

VELHINHOS ENFRENTAM FILAS

14:00H – OS JORNAIS

BATALHAM SUAS MATÉRIAS

15:00H – NOS BECOS

A DOR DE TANTA MISÉRIA

16:00H – O TRAFEGO

FAZENDO SUAS VÍTIMAS

17:00H – LÁ LONGE

O SOM DO CARRO  DE POLÍCIA

18:00H – NA IGREJA

O CANTO DA AVE MARIA

19:00H – NO ÔNIBUS

A VOLTA PARA A FAMÍLIA

20:00H – NA SALA

COMEÇA O JORNAL DA GLOBO

21:00H – O DE SEMPRE

NOVELA OU ALGUM JOGO

22:00H – A PATROA

ESPERA POR UM AFAGO QUENTE

23:00H – DESCANSO

NO SONO DE TODA GENTE

00:00H – ANUNCIA

VAI COMEÇAR TUDO DE NOVO

 

Pensamento…

22 set
O SILÊNCIO MACHUCA A ALMA…
A VERDADE DÓI MAS ACELERA O ESQUECIMENTO…
 
Anjinha

Poema de bruxa

27 jun

FASES E FACES…

Como a noite

A Lua que tece

A bruxa que sou

Nos caminhos compridos da alma

Nasce

Cresce

Foge

Renasce

Do fundo do meu próprio Eu

Como a Lua Negra se torna Nova

Para novamente crescer

E então Cheia, torna a fugir

Minguando no firmamento da existência

E fenece e torna-se Negra

Da mesma forma que eu

Da mesma forma que a bruxa que sou

Nasceu

Cresceu

Fugiu

Morreu

E renasceu

Como a Lua surge

Desaparece e ressurge

Em meio às brumas do infinito

E eu,

Só eu Bruxa

E a Lua Cheia, Deusa Mãe

A iluminar o mundo

Até tudo começar de novo!

Escrito em 11 de junho de 2004 ? 3° dia da Lua Minguante ? 8° dia do ciclo

©Morghana Silkmoon (todos os direitos reservados)

Have You Ever Really Loved A Woman?

23 jun
Have You Ever Really Loved A Woman?  
(Você realmente já amou uma mulher?)

Para realmente amar uma mulher, para compreendê-la,

Você precisa conhecê-la profundamente por dentro,

Ouvir cada pensamento – ver cada sonho,

E dar-lhe asas – quando ela quiser voar.

Então, quando você se achar repousando

Desamparado em seus braços,

Você saberá que realmente ama uma mulher…

Quando você ama uma mulher,

Você lhe diz que ela realmente é desejada.

Quando você ama uma mulher,

Você lhe diz que ela é a única

Pois ela precisa de alguém para dizer-lhe

Que vai durar para sempre.

Então diga-me: você realmente,

Realmente, realmente já amou uma mulher?

Para realmente amar uma mulher,

Deixe-a segurar você,

Até que você saiba como ela precisa ser tocada.

Você precisa respirá-la – realmente saborea-la

Até que você possa sentí-la em seu sangue.

E quando você puder ver

Suas crianças que ainda não nasceram dentro dos olhos dela,

Você saberá que realmente ama uma mulher

Você precisa dar-lhe um pouco de confiança –

Segurá-la bem apertado,

Um pouco de ternura – precisa tratá-la bem.

Ela estará perto de você, cuidando bem de você,

Você realmente precisa amar sua mulher…

Então, quando você se achar repousando

Desamparado em seus braços,

Você saberá que realmente ama uma mulher…

Então diga-me: você realmente,

Realmente, realmente já amou uma mulher?

Então diga-me: você realmente,

Realmente, realmente já amou uma mulher?

 

Bryan Adams

O peso de mil anos…

29 maio

Foram deixando milhares de "nós" na terra…